segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Um conto quase de Natal













UM CONTO QUASE DE NATAL

Pela rua deserta, ele caminhava solitário. Garrafa na mão e muitas desilusões sobre as costas. Divisou a alguns metros, sob a luz tênue do poste, um cão comendo alguma coisa não identificada.

Aproximou-se do animal e lhe perguntou:

- O que comes, cão?

O cão nem deu bola ao que ele lhe perguntara e continuou a comer. Novamente, ele perguntou:

- Oh, animal infeliz, o que estás a comer, miserável?

Então o cão levantou a cabeça e respondeu:

- Não sabes tu que hoje é Natal?

Ele ficou pensativo por alguns instantes e depois falou para o cão:

- É, eu sei que hoje é Natal, mas o que eu perguntei foi o que tu estás a comer com tanto apetite.

O cão, que havia voltado à sua mastigação, parou e disse:

- Pois eu vou te dizer - estou comendo as tuas melhores recordações, pois nem com elas, tu conseguiste te levantar dessa merda em que tu te meteste. Vou comê-las todas e não sobrará mais nenhuma para quando quiseres te lembrar delas. Aí, tu lamentarás ter nascido nesse dia, aliás, dia esse tão hipócrita e cínico de tua sociedade, que nem nós, cães, suportamos. É por isso, que estou comendo o que tu não deste valor nenhum. Agora cai fora que não posso parar, tenho mais lembranças, de outros idiotas como tu, pra comer ainda hoje.

O homem saiu, deixando para trás tudo que havia construído anos após anos. Uma leve névoa tomou conta da noite e não se pôde ver mais, nem homem, nem cão e, tampouco, nenhuma lembrança de que aquele dia era Natal.

5 comentários:

Anônimo disse...

quero o endereço do cachorro, please!

felipe d.

Hélio Jorge Cordeiro disse...

hahahaha! Claro, é a única coisa que se salva!

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Laura, já enviei o conto censurado pro seu email.
bjos

D. disse...

Gostei do seu conto, é forte,gosto. Mas o que seria de mim sem as recordações, meu caro? eu tive um amor que me deu tantos momentos bons que até hj me supre. Seria mto amarga se não guardasse com carinho as lembranças dos meus amores :)
bj Laura
PS: esqueci de dizer que um conto meu e um da Esther não foram aceitos lá, o meu eu mandei p ela, que disse estar confuso, estava mesmo, ai arrumei e entrou, um sobre um incêndio e a perda de livros. o dela não lembro qual era...mas não escrevo mais p eles, fiquei irritada, ela,esther, disse que os contos deste mês foram melhores, nem fui .er, encheu- como dizem aqui: abusei da livraria x :)

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Laura, acho que está resolvido o problema. Agora a coisa vai!
bjs