sexta-feira, 27 de março de 2009

Lançamento Literário



LANÇAMENTO LITERÁRIO

Terça - às 20 horas, na Livraria Letras Muito Condensadas, o lançamento de “Cagando e andando pelas ruas de Madri” – escrita magistral do famoso escritor portenho Armando Hernandez Laña D’ Vicunha, que viveu sua infância em “las calles” de Buenos Aires, pobre e faminto, juntamente com o seu camundongo amestrado Menenzito, que, dizem, lhe ditou muitos de seus textos. A tradução para o português ficou a cargo de Anselmo Telminha, que tem no currículo outras grandes traduções, como por exemplo: de Grant M. Hierda,
“Stop before falling into the dark hole”, em português “Sifu no escuro”.

Armando escreveu seu primeiro sucesso “Vida de Mierda” em plena guerra das Malvinas, onde batalhou, por conta própria, contra os ingleses invasores. Nesse período, ele ficou depressivo com a morte de seu ratinho Menenzito depois de uma escaramuça, quando o pequeno roedor foi chamuscado até a morte por um lança chama, britânico.

Armando lança agora outro sucesso em meio a discussões acaloradas dos críticos, não só em sua terra, como em terras brasileiras, que, dizem, ser esse o maior livro das Américas de 2008. Esse novo trabalho, conta a história de Bartolo Pan Vigno e Quezo, um argentino anarquista que na juventude saiu de Bueno Aires para Madri com um só intuito: matar o Generalíssimo Franco, mas que resolveu na última hora fugir com a camareira do ditador espanhol, Anita Bigualdi. Bartolo e Anita se refugiaram em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Sem ninguém para lhe ajudar a contar sua incrível história e toda a grana que roubou dos cofres do general, assim como duas bonecas de porcelanas chinesas que o ditador adorava ninar antes de dormir, Bartolo viveria até morrer em 2004, 5 anos depois de Anita, que foi atropelada ao atravessar a BR 101, rodovia que passa ao largo da cidade balneária.

Armando ainda escreveu “Memórias de um filho sem pátria e sem mãe adotiva para lhe dá muita porrada”, baseado na vida de outro marco da política latino-americana, o General Pinochet. “Cagando e andando pelas ruas de Madri” - Editora Matança Literária - Papel reciclado – 1.956 páginas –, R$ 387, 00 (pode pagar no cartão sem juros ou em 12 vezes de R$32,25).

6 comentários:

D. disse...

querido, é vc que 'pinta' as imagens? fica legal.
dei uma lida até lá embaixo.
O conto do homem com o cachorro na cultura é ótimo- eles são uns... melhor não dizer.
Aquilo tudo é carta marcada.
Se eu fosse vc omitia o livraria cultura, só colocava livraria- está fazendo propaganda d egraça- eu vou fazer isto tb.
bjs Laura
vc tem recursos aqui que não conheço- ai a lado.

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Laura, eu sei, mas como concordei com os termos deles, evitei arranjar problemas, por isso mantive os contos do jeito que foram postados, originalmente.

Quanto a pintar as imagens, claro que não, é só um recurso que uso para distorcer as mesmas.

Recursos? Quais? Num sei, apenas fui construindo o blog do jeito que deu...Sou leigo, para não dizer tapadin, tapadin, nessa de "internet e suas maravilhas".

bjos

PS Ah, tem Almodovar ("Tie me up, tie me down") no Cine Cubancheiro. Clica lá!

D. disse...

vc quer entrar p o portaldo nassif, te mando convite, se quiser.
bjs

Rubens da Cunha disse...

muito verídico, (sem ironia), por isso muito bom :))

abraços

Márcia(clarinha) disse...

Uia!
Que espetáculo!

lindo final de semana
beijos

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Beijos a todos e um grande final de semana também!