quinta-feira, 5 de março de 2009

Cássia e Vinícius























CÁSSIA E VINÍCIUS

Cássia tinha 28 e Vinícius 45. Naquela noite, os dois tinham marcado se encontrar numa esquina do centro da cidade. Esquina essa, de pouco movimento. Proposital escolha, pois o que os dois iriam discutir era de vital importância para a relação deles e não queriam xeretagem por perto.

Vinícius chegou primeiro; três minutos depois, chegou Cássia.

- Porra! Quer mesmo me fazer de idiota, né? – disse ele, olhando pros lados, nervoso.

- Oh, Vi, é que me atrasei... – respondeu ela com voz de criança.

- Porra nenhuma! – vociferou ele, andando agora de um lado para o outro.

- Oh, Vi... Me perdoa, vai! – implorou ela, querendo fazer-lhe carinho no rosto, mas ele a rechaça.

- Você é mesmo uma vagabunda! Eu devia é lhe matar!– disse ele pegando na ponta do queixo dela e apertando.

- Oh, amorzinho. Custa nada me perdoar? Hein, vai, vai. Por favor! Olha, eu juro que não vai acontecer mais...

- Porra nenhuma sua piranha! Rameira de uma perna só! – gritou, ele.

- Ei, não fica assim! Olha as pessoas! – advertiu, ela.

- Quero que se foda! Você... Como pode fazer isso comigo, Cá! Você foi mesmo uma, uma...

- Xiiii... Não grita, Vi! Olha, meu amorzinho...

- Meu amorzinho, meu amorzinho, um caralho! E não me toca...

- Vi, vamos lá, é só me perdoar... Simples... Diz, que me perdoa... Olha doeu em mim também... Eu, juro que não faço mais!

- Você é mesmo uma cínica! Olha pra você...

- Eu sei que você ficou puto da cara com isso, mas foi a primeira vez. Considere isso! Olha pra, mim...Olha nos meus olhos...Agora diz que me perdoa...

- Mas Cá, você prometeu que não iria falar pra Viviane!

- Num aguentei, mô... Eu tive que falar pra ela que eu sabia que você tinha transado com ela. Olha, Vi, eu prometo que quando você transar com outra mulher eu juro que não abro mais a boca pra nada. Tá? Agora me perdoa, vai...

- Tá, bem. Ontem, quando eu disse que estava na casa de minha tia, na verdade eu tava transando com a Carmem, aquela tua amiga do ginásio...

Cássia agarrou-lhe cintura e deu-lhe um beijo. Os dois ficaram se beijando por alguns minutos naquela esquina meio deserta do centro da cidade. Em seguida, os dois se separaram e cada um seguiu o seu caminho.

- Alô, Carmem? Aqui é Cássia Schmitt, lembra? A loirinha que estudou contigo no Aristeu de Carvalho...

7 comentários:

Anônimo disse...

po, esse admirável helinho novo sempre com a forma precisa de retratar o bicho homem...foda isso...

filipei damov

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Felipov, é força do hábito, companheiro!

Márcia(clarinha) disse...

Aff!
Se merecem...
Pior é saber que isso nem é ficção :-(

lindo dia
beijos

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Hahahah!

Marcia, inda bem que 6 sabem que isso é uma realidade constante na vida de ô6 mulheres! heheh

D. disse...

Pois é, concordo com a Marcinha.
É duro isto.
Rapaz, qto ao meu assunto lá, é de dar nojo. TRiste é pouco, é nojento isto. bjs
Laura

Rubens da Cunha disse...

A VIDA COMO ELA É :)

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Hahaha, gostei, Rubens ou quem sabe "a vida como nós a vemos"...hahahah