sexta-feira, 22 de maio de 2009

Por pouco Nietzsche não chorou



























A propósito dos encontros de filosofia de que ando participando,discudindo o trabalho do filosofo alemão Friedrich Nietzsche, o meu amigo, jornalista, cronista e poeta Felipe Damo, me emprestou o DVD “Quando Nietzsche Chorou”, direção de Pinchas Perry, com Amand Assante - no papel de Friedrich Nietzsche e Ben Cross no papel de Dr. Josef Breuer. Claro que o encontro desses dois grandes homens; um para a filosofia e outro para a psicanálise, é de brincadeirinha. Nunca aconteceu. Dr. Breuer, que, na história fictícia, é convocado a tratar as famosas enxaquecas e as vontades suicidas do grande filósofo alemão, escreveu (aí é de vera), em colaboração com Sigmund Freud, o famoso livro “Estudos sobre a Histeria”. Sig, ou Dr. Freud, interpretado pelo jovem ator Jamie Elman, aparece aqui e ali pelo filme, ajudando o Dr. Breuer a entender seus próprios fantasmas e a lidar com os tormentos de Nietzsche, até então, apenas um polêmico professor apaixonado por uma jovem russa, Lou Salome, interpretada pela insossa atriz Kather Winnick. Aliás, meio insossa também é a interpretação de Jamie Elman, como Freud. Na verdade, o que salva mesmo o filme, é ainda o velho ator Armand Assante, como o grande filósofo. Mesmo a atuação de Cross não me convenceu, mas dou um 7 pra ele. A direção também me pareceu um tanto titubeante, além, é claro, da transposição de época, que achei meia-boca. Contudo, devemos entender que se trata de uma produção, digamos assim, independente, sem nenhum grande estúdio por trás. Não que quisesse ver o Nietzsche na pele de Leo de Caprio, mas gostaria de uma produção mais elaborada. Mas, ainda assim, valeu, pois me fez retornar ao livro de Irvin Yalom, que li faz um certo tempo, e principalmente, como disse no começo, estou participando do Grupo de Estudos e Discussão em Filosofia, onde Nietzsche é o cara. Ah, em tempo, foi meio chato ver Nietzsche chorar, mas como todo homem apaixonado é mesmo uma..., eu tive que relevar.

3 comentários:

Anônimo disse...

ééé...nietzsche é uma espécie de chuck norris...


filipei damov

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Meu caro Damo, é mesmo inimaginável vê determinados caras chorando e Nietzsche é um deles. rsss

Diz disse...

Hélio, obrigada,eu vi o seu comentário,ele me enviou.
Ao gostei mto do livro, não vou ver o filme- nunca é bom.
Este livro aborda o início da psicanálise e é interessante por isso. A terapia pela fala começa por ai,mesmo sendo ficção foi nesta época. E Freud no livro aparece tb mto pouco que frustrou a freudiana apaixonada pelo mestre aqui.
Bjs Laura